Ao Vivo
 
 

Regional Noroeste

CEBs caminham com esperança renovada 

CEBs caminham com esperança renovada 

Após intensa preparação e pauta construída coletivamente, inspirados pela força celebrativa do 14º Intereclesial de Londrina, pela vitalidade das CEBs no Brasil e motivados pelos compromissos assumidos no final do Intereclesial, reunimo-nos neste Ano Nacional do Laicato, para a I Ampliada Regional das CEBs do Noroeste, em Porto Velho, de 20 a 22 de abril. A Ampliada Regional é um espaço privilegiado de comunhão para dar continuidade à caminhada e articulação das CEBs no Regional, com momentos de partilha, celebração, reflexão, avaliação, reconstrução e reorganização das Comunidades Eclesiais de Base neste nosso chão amazônico. Presentes, os articuladores das CEBs e os coordenadores diocesanos das Dioceses do Acre, Sul do Amazonas e Rondônia. Neste Tempo Pascal, marcados pela Ressurreição, iniciamos nosso Encontro de forma celebrativa, percorrendo o itinerário dos discípulos de Emaús (Lc 24,13-32) e nos questionando: Partindo do que “vimos e ouvimos” (1Jo 1,3), o que ainda “aquece o nosso coração” (Lc 24,32 ) para continuarmos na caminhada? Com o canto Nossa Vida é Missão, conscientes de nossa responsabilidade de testemunhas do Ressuscitado, colocamo-nos por inteiro, trazendo no nosso coração de  leigos e leigas, as alegrias, angustias e anseios das nossas comunidades amazônidas e o nosso compromisso com a sociedade e nossos irmãos pobres, excluídos e marginalizados. Fizemos memoria, através do filme, da celebração do 14º Intereclesial das CEBs de Londrina, partilhando nossa experiência de participação e de convivência com as comunidades de todas as regiões do Brasil. Olhando para a situação econômica e política Com o mesmo olhar dos discípulos caminhantes de Emaús, perplexos com a realidade e sofridos com a situação de nosso país e do povo brasileiro espoliado de seus direitos, refletimos mediante a analise de conjuntura apresentada pelo Prof. Sérgio Luiz de Souza, doutor em Sociologia (Unesp) com atuação na Área de Sociologia e História na Universidade de Rondônia (UNIR). Contextualizamos os avanços democráticos e retrocessos no ultimo ano, o autoritarismo e a negação dos direitos e da dignidade dos cidadãos os movimentos de resistência e superação. Fomos questionados: Quais os processos fundamentais que estão direcionando a atual situação brasileira no aspecto político, cultural e econômico? Quais são os processos autoritários no Brasil com retirada de direitos e desestabilização do Estado? O que nós, sociedade, instituição e movimentos, temos feito para superar os processos autoritários? No que avançamos e produzimos quanto à autonomia e fortalecimento dos processos de resistência? A partir do olhar de Jesus e da Doutrina Social da Igreja (DSI) que nos ajuda a compreender e viver a práxis social e cristã, aprofundamos com Pe. Juquinha e a Assessora Lilian Moser o VER da nossa realidade de CEBs presentes na Amazônia, voltando o olhar para as nossas ações sociais e eclesiais.  Iluminada pelo Ensino Social Cristão, a Igreja vive o seu profetismo no mundo, anunciando e defendendo a dignidade da pessoa que exclui qualquer tipo de discriminação; o bem comum e a destinação universal de todos os bens como prática evangélica de compromisso com Jesus Cristo, que veio ao mundo “para que todos tenham vida em abundância” (Jo 10,10), e, ainda, defendendo o direito ao trabalho e anunciando o princípio da solidariedade.  Por isso, a Doutrina Social da Igreja é essencialmente prática pastoral; é o Evangelho vivido nas bases, mediadoras sociais da política, dos sindicatos e movimentos, das associações e ONGs à luz da fé libertadora. Fé alimentada pela Palavra de Deus e pelo amor e serviço aos pobres e descartados que nos faz antever a sociedade sendo permeada pelos valores do Evangelho: a verdade, a gratuidade e os direitos humanos. A preocupação básica da Doutrina Social da Igreja é a construção do Reino de Deus anunciado e vivido por Jesus Cristo: um Reino de Justiça, de Fraternidade e de Paz. Como caminhantes, com os pés e coração no Ano do Laicato, acolhemos a realidade dos leigos e agendas para esse ano de 2018  através do Sr. Carlos do Conselho do Laicato de Porto Velho. No Caminho de Emaús O Evangelho de São Lucas, 24, 13-32, no contexto do “Caminho de Emaús”, foi a iluminação do Momento de Revisão e Avaliação da caminhada das CEBs do Regional Noroeste no período de 2014 a 2018: juntos, de forma orante, conduzido pelo Assessor da Pastoral da Juventude do Regional Noroeste, Álvaro Pereira, olhamos para trás, dialogamos e avaliamos o caminho percorrido junto as nossas comunidades, o planejamento, a organização, os avanços e as dificuldades das CEBs urbanas, ribeirinhas, migrantes e rurais das dioceses/prelazia. Foi um momento no qual “vimos e ouvimos” (1Jo 1,3), que precisamos ser, de fato, “uma Igreja em saída” (EG 24), em missão permanente (“Saída missionária” (EG 20). Precisamos realizar encontros formativos, analisar a conjuntura social, politica, econômica e eclesial, em nível local, nacional e mundial. Devemos assumir os compromissos como leigos com a identidade das CEBs, pois, avançamos pouco e sofremos resistências, recuamos em muitos pontos, demonstramos falta de profetismo e capacidade de superação. Comunidades com dificuldades no relacionamento, causadas pelas lideranças, coordenadores de comunidades que se fecham dificultando o dialogo;  Comunidades orantes e celebrativas sem a práxis, ou seja, se reza e celebra muito, mas nada de ação social concreta e encarnada com a vida do povo. Constatamos  compromisso e protagonismo da juventude na organização e realização do Encontro Nacional da Pastoral da Juventude (ENPJ/2018) no Acre contudo, no dia a dia, nossos jovens têm dificuldade em se expressar diante do autoritarismo, sentem que não tem credibilidade, em outras realidades falta o protagonismo jovem. Partilhar experiências entre comunidades é uma forma de animar a caminhada. A formação permanente na base contribui para superar as barreiras e repensar a caminhada das CEBs. Precisamos incentivar leigos e leigas à participação de conselhos paritários, formação de fé e política nas comunidades, fortalecer os grupos bíblicos e de reflexão, redescobrir o verdadeiro sentido de participar de uma Comunidade Eclesial de Base, fortalecer a fé e acreditar  num mundo possível a partir dos pobres sem vez e sem voz, utilizar os meios de comunicação para divulgar e expressar a identidade e a espiritualidade das CEBs. Desenvolver ações em conjunto com a Juventude.  AGIR Concreto Sentindo a urgente necessidade de retornar às fontes que são as nossas comunidades e beber desse poço rico de água viva e abundante, ASSUMIMOS para o ano de 2018, ano do Laicato e de preparação ao Sínodo da Amazônia, juntamente com os compromissos já programados nas dioceses/prelazia, REFLETIR o Ano Eleitoral, a partir das Cartilhas da CNBB “Eleições 2018” e o momento atual político e social nas bases. PREPARAR até dezembro/2018, material formativo, a partir da realidade, história e caminhada das comunidades de cada diocese. Como os discípulos de Emaús, retornamos para nossas Comunidades, cheios de alegria, coragem e fé, determinados a nos tornarmos testemunhas do Ressuscitado e Comunidades missionarias, verdadeiramente uma Igreja em saída! Texto: Neurimar Pereira da Silva Fonte: CEBs do Brasil
Carta dos bispos do Regional Noroeste a juventude

Carta dos bispos do Regional Noroeste a juventude

Reunidos na assembleia geral da CNBB, os bispos do Regional Noroeste retomaram reflexão sobre o Encontro Nacional da Pastoral da Juventude que ocorreu em janeiro deste ano em Rio Branco, Acre. E encaminharam carta à toda juventude do Regional Noroeste, onde renovam o compromisso com cada um e cada uma dos jovens.  Confira a carta na íntegra:   Querida juventude, Em reunião dos bispos do nosso Regional Noroeste em fevereiro na Diocese de Humaitá, colocamo-nos a par do ENPJ - Encontro Nacional da Pastoral da Juventude em Rio Branco – Acre. Infelizmente não tínhamos a possibilidade de participar em numero maior deste importante evento, pois o mês de janeiro sempre vem com uma rica programação pastoral e formativa.  Agora, por ocasião da 56º Assembleia Geral da CNBB-Conferencia Nacional dos bispos do Brasil, retomamos a reflexão sobre a grandeza desta mobilização jovem. Primeiro queremos agradecer pelo empenho de nossos agentes pastorais em oferecer à juventude de nosso país lugar e ambiente para refletir e partilhar percepções e ideias sobre a realidade do mundo atual, de nossa sociedade e da própria Igreja. A juventude precisa sonhar,  articular-se, comprometer-se, viver e testemunhar a fé. Como bispos, sentimos a responsabilidade de nos fazermos presentes neste processo que desemboca num compromisso crescente com a missão da própria Igreja de Cristo. Sim, a Igreja – como bem destacou o Concilio Vaticano II – é instrumento e sinal de salvação do mundo. É um projeto que vai além de mais justiça social, de fraternidade universal e preservação da criação. Inclui tudo isso, indiscutivelmente, mas visa à fé incondicional em Jesus Cristo de Nazaré, filho de Deus; como diz o nosso estimado Papa Francisco na exortação sobre a chamada à santidade no mundo atual: “Oxalá consigas identificar a palavra, a mensagem de Jesus que Deus quer dizer ao mundo com a tua vida. Deixa-te transformar, deixa-te renovar pelo Espirito para que isso seja possível, e assim a tua preciosa missão não fracassará” (GE 24). Fazemos votos de uma firme caminhada de nossos jovens junto conosco, pastores das Igrejas Particulares do Noroeste, e com os diversos agentes pastorais de nossas paróquias e  comunidades.  Os tempos são difíceis (e podem nos desafiar ainda mais para frente); eles requerem nossa união e discernimento em torno do que mais importa: nossa fé em Jesus Cristo e nossa fidelidade à missão que Ele nos confiou antes de subir aos céus. Neste sentido renovamos nosso compromisso com todos vocês, jovens do Noroeste. Rogamos que N. S. Aparecida nos proteja e nos abençoe.   + Bruno Pedron, SDB                                                                                Diocese de Ji – Paraná                                                                    + Roque Paloschi                                                                              Arquidiocese de Porto Velho                                                              + Frei Santiago Sánchez, OAR                                                                   Prelazia de Lábrea                                                                                              + Benedito Araújo Diocese de Guajará - Mirim + Joaquim Pertinez, OAR Diocese de Rio Branco + Mosé Pontelo, CssP Diocese de Cruzeiro do Sul + Francisco Merkel, CssP Diocese de Humaitá