Porto Velho, quinta, 19 de maio de 2022

Arquidiocese de Porto Velho

Brasão do Arcebispo

Compartilhe

 

Lema

O lema “fiz-me servo”, tirado da primeira carta de Paulo aos coríntios (“ainda que livre em relação a todos, fiz-me o servo de todos, a fim de ganhar o maior número possível”: 1Cor 9,19), manifesta a sintonia do Bispo com a visão conciliar do episcopado. Cristo Jesus, que “não veio para ser servido, mas para servir” (Mt 20,28), revela o sentido de sua presença no mundo “como quem serve” (Jo 13, 1-16; Lc 22,27). O Bispo, servidor de Cristo, não poderia servi-lo nos irmãos e irmãs tomando um caminho oposto ao de seu Mestre e Modelo único. É deste modo, portanto, como servo, e não como dominador, que ele testemunha e anuncia “a esperança que não engana” (Rm 5,5): Cristo Jesus, morto na cruz e ressuscitado dos mortos, Amor supremo do mundo. Ele, no dom do Espírito, conduz a humanidade e a história ao coração do Pai.

Brasão

O brasão do arcebispo faz referência a elementos amazônicos, especialmente da Diocese de Roraima na qual foi ordenado bispo.

O brasão tem o contorno verde, significando a Amazônia. É aberto, livre, como a natureza que evoca o ministério de Deus, sua magnitude e beleza (Sl 104).

A figura central é um peixe, primeiro símbolo do cristianismo, que aparece em meio ao movimento das águas, expressão maior da identidade amazônica. O bispo está a serviço de Cristo, sol de justiça, representado na cor amarela. Pregando o Evangelho, reúne a comunidade como um pescador que enche suas redes confiado na Palavra do Senhor (Lc ,1-11). O traçado das ondas lembra o rio Branco e a urgência de “avançar para águas mais profundas” na missão evangelizadora. Esta deve atingir também as montanhas, representadas na parte superior tanto no Antigo como no Novo Testamento, a montanha aparece como lugar da oração, da pregação, da manifestação e da presença de Deus. Assim também, no hoje de sua Igreja Particular, o bispo deve subir a montanha com seu povo para aí saborear as delícias da morada do Senhor.

O cajado de madeira, representado pela cor marrom, era usado pelos antigos pastores do Oriente para defender o rebanho nas situações de ameaça e perigo. Evoca a missão libertadora de Jesus, que diante do lobo não foge, mas dá vida por suas ovelhas (Jo 10, 1-11).

Na parte inferior aparece o escapulário de Nossa Senhora do Carmo, padroeira de Roraima (Diocese a qual foi ordenado bispo), Estrela da Evangelização sempre renovada. No ventre da serva do Senhor (Lc 1,38) “Deus se fez carne, começou a fazer parte de um povo…Por isso Maria é o ponto de união entre o céu e a terra” (Documento de Puebla, 301). O bispo confia a Mãe do Senhor e Mãe da Igreja o seu serviço episcopal para que o Evangelho se torne mais carne, mais coração no povo.

Mitra Arquidiocesana

Av. Carlos Gomes, 964 - Centro Cep: 76.801-147 - Porto Velho (RO)

Contatos

(69) 9368-2074 Telefone e WhatsApp pastoralarquivpvh@gmail.com

Funcionamento

Segunda-feira a Sexta-feira: 8h às 12h - 14h às 18h Sábado de 8h às 12h