Porto Velho, domingo, 14 de julho de 2024

25/06/2024 . Notícias da Igreja

Irmã religiosa amazônica: Francisco não deu a palavra final sobre as mulheres diáconas

A catequista franciscana Irmã Laura Vicuña Pereira Manso, que é membro do povo indígena Kariri, fala em um evento sobre a Amazônia na sede da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, em Roma, em 4 de junho. (Captura de tela do CNS/FAO)

Uma importante religiosa da região amazônica acredita que a recente  entrevista do Papa Francisco , que pareceu fechar a porta às mulheres diáconas, não é a palavra final sobre o tema muito discutido que tem sido repetidamente levantado durante o  processo sinodal em curso .

“O discurso de Francisco causou alguma perplexidade, mas uma entrevista não é o magistério da Igreja”, disse a catequista franciscana Irmã Laura Vicuña Pereira Manso ao NCR por e-mail. Seus comentários foram feitos poucas semanas depois de uma entrevista à CBS News, onde Francisco disse que se opunha às mulheres diáconas, se isso estivesse relacionado ao sacramento das ordens sagradas.

“Estamos vivendo a segunda fase de um sínodo sobre a sinodalidade e sei que isso não resolverá todas as questões necessárias de mudança na Igreja”, acrescentou Pereira Manso. “Mas abrirá caminhos para continuarmos a conversa e para todos nós.”

Pereira Manso atua como vice-presidente da  Conferência Eclesial da Amazônia (ou CEAMA, como é conhecida), que foi criada em 2020 após o  Sínodo dos Bispos para a Amazônia de 2019 . No início deste mês, ela viajou a Roma para vários eventos que marcaram o aniversário de cinco anos do Sínodo da Amazônia, incluindo um encontro com o papa. 

“Temos mudanças importantes em andamento na igreja”, disse Pereira Manso depois. “Sempre digo que ‘Vovô Francisco’ trouxe um ar primaveril para a igreja”.

Antes que muitas das questões doutrinárias específicas possam ser consideradas, disse ela, é necessária uma “conversão” do modo de ser da Igreja. Isto inclui o papa, os leigos e todos os demais.

A mudança, observou ela, incomoda muitas pessoas “que querem continuar em seus privilégios e não querem ser uma igreja que é o povo de Deus e um sinal do reino”.

Durante anos, Pereira Manso – juntamente com outras irmãs religiosas – trabalhou nas partes remotas da região amazónica de nove países, onde há poucos padres e muitos fiéis não têm acesso regular aos sacramentos. 

Embora o papa possa estar hesitante em apoiar a restauração do diaconado feminino, grande parte do  trabalho que estas irmãs já realizam é ​​o ministério diaconal. A CEAMA é a primeira assembleia eclesial do género a incluir mulheres numa posição de liderança e, independentemente do que for oficialmente decidido durante o sínodo sobre a sinodalidade em curso – ou depois – ela diz que continuará. 

Irmã Laura Vicuña Pereira Manso (atrás) acompanha a matriarca Katiká e o povo Karipuna há mais de sete anos na defesa de seus direitos humanos e do cuidado com a floresta amazônica no território Karipuna, Brasil. Ela tem sido a presença da Igreja Católica neste território remoto onde não há padres. (Ellie Hidalgo)

Irmã Laura Vicuña Pereira Manso (atrás) acompanha a matriarca Katiká e o povo Karipuna há mais de sete anos na defesa de seus direitos humanos e do cuidado com a floresta amazônica no território Karipuna, Brasil. Ela tem sido a presença da Igreja Católica neste território remoto onde não há padres. (Ellie Hidalgo) 

“Continuo acreditando no serviço que nós, mulheres, oferecemos à Igreja e na missão de sermos pontes e não deixarmos cair a profecia”, disse ela. “É assim que continuaremos a servir o povo de Deus, que vive às margens, nas periferias e nos porões da humanidade, em defesa da vida, da terra e dos direitos”.

Após o Sínodo Amazônico, do qual Pereira Manso participou como auditora, ela disse que a Igreja na Amazônia “se reinventou”, através de uma série de novas propostas que incluem o desenvolvimento de um rito litúrgico amazônico, ministérios expandidos, diálogo intercultural e bilíngue. Educação.

No dia 3 de junho, tanto a Conferência Eclesial da Amazônia quanto a  Rede Eclesial Pan-Amazônica se reuniram com Francisco para o que ela descreveu como uma cúpula “histórica” entre o pontífice e as duas organizações.

“Este encontro reforçou a sinodalidade e a colaboração contínua para a justiça social e ambiental, bem como a busca de novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”, disse ela.

Embora Pereira Manso tenha dito que a questão do diaconado feminino não estava na agenda daquela reunião, ela disse que o tema dos ministérios da mulher tinha sido explicitamente discutido um ano antes, durante  outra reunião com o papa.

“Ele disse-nos que não havia como voltar atrás face às mudanças em curso” e observou que o trabalho está agora em andamento para que a Igreja tenha um discernimento mais completo sobre estas questões.

E por enquanto, ela disse que a ambigüidade não a desanima.

Ao antecipar a reconvocação do Sínodo sobre a sinodalidade, Pereira Manso disse que reza para que haja uma maior abertura sobre os “tópicos onde a Igreja ainda carece de consenso e transparência, para que sejam de facto a acção do Divino”. Ruah e não o medo de entrar em águas mais profundas.” 

Fonte: https://www.ncronline.org/vatican/vatican-news/amazon-religious-sister-francis-hasnt-given-final-word-women-deacons 

Mitra Arquidiocesana

Av. Carlos Gomes, 964 - Centro Cep: 76.801-147 - Porto Velho (RO)

Contatos

(69) 3221-2270 Telefone e WhatsApp coord.pastoral@arquidiocesedeportovelho.org.com

Funcionamento

Segunda-feira a Sexta-feira: 8h às 12h - 14h às 18h Sábado de 8h às 12h